A Arte do Futebol

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Tomada de Decisão

Há já muito tempo que me interesso pela temática da tomada de decisão. Esta capacidade psicológica, mental, táctica ou seja lá o que for é cada vez mais considerada como fundamental num jogador de topo e essa opinião é partilhada por cada vez mais gente, no entanto ainda pouco se sabe sobre como a treinar. E será que é possível?

Creio que sim da mesma forma que sei que muitos treinadores pouco fazem para que isto aconteça. A tomada de decisão está intimamente ligada à experiência do jogador. Regra geral, quanto mais experiente (mais anos como jogador de futebol), melhor decisões o jogador toma, é tão simples como isto. Ou então não...

Vejamos o caso de um jogador no auge dos seus 28 anos, que joga futebol desde os 8 anos e que ao longo da sua carreira teve sempre treinadores que durante os treinos e jogos lhe foram sempre indicando o que fazer: "Joga no meio!", "Corre com a bola!", "Mete no ponta!", "Fica com esse jogador!"... acho que já perceberam a ideia. Será que este jogador foi evoluindo a sua capacidade de tomar boas decisões? Acredito que sim mas também acredito que essa capacidade poderia ser bem mais potenciada...

Agora vejamos o caso dum jogador no auge dos seus 28 anos, que joga futebol desde os 8 anos e que ao longo da sua carreira teve sempre treinadores que durante os treinos e jogos deixavam o seu jogador decidir e só depois de tomada a decisão o corrigia ou elogiava consoante o desfecho da sua acção. Parece-me claro que a tomada de decisão do jogador neste caso seja muito maior que no caso anterior e nem creio que seja preciso explicar o porquê.

Um dos grandes erros de muitos treinadores (e muitos deles percebem muito de futebol) é o facto de quererem decidir pelos seus jogadores, parece que estão a jogar futebol numa consola mas em vez de usarem um comando, usam a voz. É óbvio que se terão de dar sempre orientações básicas de modo a que as decisões dos jogadores vão de encontro ao que o treinador pretende no seu modelo de jogo, caso contrário ficamos perante uma total anarquia mas aí já entram assuntos relacionados com a metodologia de treino, o que eu quero dizer é que mesmo dentro de acções padronizadas (circulações tácticas), os jogadores vão estar a jogar contra uma equipa cujas acções dos seus jogadores podem ser imprevisíveis e o plano de jogo pode ter de ser alterado, sendo que essa alteração terá de ser feita em fracções de segundo... e as indicações do treinador não vão valer de nada nessa altura.

Mas também é preciso perceber que não se formam Xavis e Decos numa época, é preciso tempo e paciência, talento e muitas horas de futebol.

Sem comentários: