A Arte do Futebol

quarta-feira, 20 de abril de 2011

O Segredo para Perder Peso


Este sempre foi um assunto que me pareceu tão simples mas ao mesmo tempo tão complicado de se conseguir. Qual a melhor forma para perder peso? A resposta a esta pergunta é, no entanto, óbvia... comer menos. Se comermos mais do que precisamos, ganhamos peso. Uma licenciatura em ciências do desporto dá-me moral para poder dizer isto de uma forma simples mas convincente. Mas a verdadeira questão que se põe aqui é a seguinte: porque é que comemos mais do que precisamos?

Existem pelo menos duas grandes razões (uma delas desconhecia por completo): a razão cultural e a fisiológica.

Comecemos pela cultural, que foi a minha (que não foi minha como é óbvio) mais recente descoberta. Jonah Lherer, no seu blog Frontal Cortex, sintetiza alguns estudos para chegar a uma conclusão: a obesidade é contagiosa. Claro que não é por estarmos ao lado de uma pessoa obesa que vamos começar a ganhar peso, no entanto, inconscientemente, uma pessoa obesa pode influenciar-nos a comer mais. No fundo, isto acaba por ter lógica. O ser-humano tende a copiar comportamentos e se grande parte da população tem excesso de peso, então é normal que nos mais diversos círculos sociais, os comportamentos das pessoas (tal como aquilo que comem, qualitativa e quantitativamente) são copiados. A ajudar a esta propagação, está a proliferação de comidas extremamente calóricas que são vistas regularmente (viva ao marketing) como alimentos banais, constituintes da alimentação regular de uma família. Um dos estudos sobre os quais pode ler no post de Jonah Lherer fala-nos de uma experiência onde se fez um teste para saborear bolachas. Só metade das pessoas viu imagens de pessoas obesas antes de realizar o teste e essa mesma metade comeu em média o dobro das bolachas que as outras que viram imagens em nada relacionadas com obesidade... estranho?

Agora vamos à razão fisiológica, esta bem mais simples. Qualquer animal no mundo alimenta-se para compensar o dispêndio energético. Bem como um carro que necessita de gasolina para produzir energia. Mas os animais, ao ingerirem mais 'energia' (por via de calorias) que aquela que vão gastar, vão ver essa energia armazenada (na forma de gordura) para quando for precisa (um mecanismo extremamente inteligente do nosso corpo). Este processo é o que ajuda os ursos durante o inverno, é esta energia extra que os sustenta durante a hibernação. Então o que é que há a fazer? Comer em função daquilo que se faz ou da energia que se gasta. Se ao menos fosse simples quantificar o número de calorias que se ingere... e pior ainda, quantificar o número de calorias que se 'queimam' durante o dia.
Muitas pessoas vivem divididas entre o fazer dieta e o fazer exercício quando é fundamental realizar ambos para se perder peso (a menos que nos fechem numa solitária durante 2 semanas sem qualquer alimento, uma espécie de hibernação induzida, muito embora não me pareça que esse mecanismo seja particularmente saudável).
O exercício acaba por se tornar uma forma de maximizar a perda de peso (de preferência o exercício de baixa intensidade e longa duração que privilegia a utilização dos lípidos para produzir energia) no entanto, a realização de exercício físico vai fazer com que o nosso corpo também 'peça' um maior aporte de energia, ou seja, faz com que tenhamos mais fome e caso não se compreenda isso, pode tornar-se num ciclo vicioso. Mas não quero com isto dizer que se deve fazer exercício e não comer (tal como o meu carro não anda sem gasolina... infelizmente), o importante é que se junte ao exercício uma dieta equilibrada e adequada ao estilo de vida da pessoa. Para mais informações, consulte o seu médico ou nutricionista.

E porque é que há pessoas que não têm qualquer cuidado com a alimentação e ainda assim não engordam? Não sei.

(Para mais informações sobre a questão do exercício, há um post de Alex Hutchinson no seu blog Sweat Science que explica o assunto de uma forma mais detalhada, uma leitura recomendada para quem se sentir confortável com o inglês.)

Imagem: http://travel.mongabay.com/gabon/images/gabon-27290.html

3 comentários:

João disse...

Gostei do post amigo Telmo.

Eu próprio recomecei esta semana os meus exercicios. Entenda-se, uma corrida ao fim da tarde. Mas já me deparei com esse problema que referiste anteriormente. Depois de correr, quando vou jantar, tenho vontade de comer 4 cozidos à portuguesa, 2 pizzas e uma lasanha. ahahahah
Agora a sério...desde que comecei a praticar exercicio sinto uma maior vontade de comer, nomeadamente na última refeição do dia. E o que eu penso é o seguinte: Se saio para queimar calorias durante uma hora e depois chego e reponho-as na totalidade (e eventualmente mais ainda), mais vale não praticar a actividade (é óbvio que esta sem outros benefícios para a saúde). O que devia era chegar a casa e ter um jantar "regrado". Mas isso tem se apresentado como uma tarefa bastante árdua.

Cumprimentos

Russo disse...

O problema é que para se ter uma dieta equilibrada, é necessario ter conhecimentos e tempo ou dinheiro, eu não tenho nenhum dos 3... mas vou voltar a jogar hóquei 4 vezes por semana pode ser que ajude, assim consigo adiar o problema mais 4 meses, e quem sabe perder os 10 kilos a mais...podias por no blog era um plano alimentar semanal de fácil execução e baixo custo... Ptt

Russo disse...

Boas

Se puderes ou tiveres mete aí um post com um plano alimentar semanal de baixo custo e fácil execução....está na hora de começar a perder peso...
Vou começar a jogar hóquei outra vez 4 vezes por semana e a fome vai aumentar..mais ainda...

Ptt