A Arte do Futebol

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Neymar

"Estamos a criar um monstro no futebol brasileiro." Estas foram as famosas palavras de René Simões, treinador do Atlético Goianiense depois de um jogo com o Santos. Não disse monstro no bom sentido, era um aviso para o que Neymar se está a tornar como profissional, como pessoa no mundo do futebol. Sou um confesso admirador do talento de Neymar da mesma forma que sou um admirador do Ronaldinho mas digo sempre que, se treinasse um clube de classe mundial, não queria nenhum dos dois no plantel. O Ronaldinho perdeu-se, dizem as más línguas, na vida nocturna, nas famosas festas em Barcelona... mas nunca o vi desrespeitar ninguém. Neymar é uma espécie de mistura entre Ronaldinho e Edmundo (o 'animal'). É o caso clássico de um enorme talento a ser mal gerido e mal formado. Já foram casos de prostitutas levadas para as concentrações da equipa, já se recusou a ser substituído num jogo, discutiu de forma acesa durante o jogo com o seu treinador, Dorival Júnior, por este não o ter permitido marcar uma grande penalidade e quando o treinador decide afastar temporariamente Neymar devido à sua indisciplina, acaba ele dispensado do cargo. É pena que as prioridades de um jogador fiquem tão distorcidas desta forma. Quando a fama e o dinheiro se sobrepõem ao sonho de jogar futebol, toda uma carreira fica em xeque. Essa sua prioridade ficou vincada aquando a renovação com o Santos. Por muito respeito que eu tenha pelo futebol brasileiro, um jogador que rejeita a possibilidade de ir para um dos melhores campeonatos do mundo onde jogam os melhores jogadores do mundo para ficar no futebol brasileiro, não merece sequer ser idolatrado pelos milhares de crianças que jogam todos os dias os seus 'campeonatos do mundo' com os amigos e sonham ser jogadores profissionais. Isto não é uma humilde falta de ambição, a isto chama-se comodismo de alguém que não quer abandonar o seu trono, onde está acima do treinador, do presidente e do próprio clube.

Neymar é um jogador que já deveria ter vindo para a Europa há mais tempo. Estes casos, típicos de um sub-mundo da gestão futebolística e de liderança de grupos seria impensável num grande campeonato. Quando já todos dão por certo o famoso cliché que diz que o mais importante é a equipa, aparece a excepção à regra. Neymar é mais importante que o resto da sua equipa. É tão importante que a equipa de futebol feminino (onde jogava Marta, a melhor jogadora do mundo) e a equipa de futsal (onde jogava Falcão, o melhor jogador do mundo) foram extintas de forma a que o Santos conseguisse reduzir as suas despesas para permitir pagar os salários de Neymar. Isto é uma vergonha e uma tremenda ofensa ao mundo do futebol, isto é o mesmo que chegar ao pé de uma criança, descalça num ringue da Rocinha, a jogar futebol no meio de tiroteios de gangs do narcotráfico e a sonhar em poder salvar a sua família daquele inferno através da coisa que mais gosta de fazer e mandá-la para o caralho!

O dinheiro é cada vez mais a poluição do futebol.

FOTO: http://www.portaldonordeste.com

Sem comentários: